Quênia censura documentário descrito como 'blasfemo' por falar de casal gay

 Eu sou Samuel , do diretor queniano Peter Murimi, conta uma história de amor entre dois homens que vivem em Nairóbi, capital do Quênia.



O filme irritou o Conselho de Classificação de Filmes do Quênia (KFCB), o órgão de classificação, que acredita que promove "  o casamento gay como um modo de vida aceitável  ".

Em nota anunciando a proibição do filme, a KFCB acredita que o documentário “  propaga valores que estão em dissonância com nossa Constituição, nossos valores culturais e nossos padrões  ”. Pior, sublinha Christopher Wambu, chefe da KFCB, o filme mostra esse casal simulando um casamento religioso, ato que ele descreve como “  blasfemo  ”.

A KFCB, portanto, proíbe “exibir  , distribuir, possuir e transmitir  ” o filme em território queniano.

A homossexualidade é um tabu na maioria dos países africanos, onde pessoas LGBTI + freqüentemente enfrentam discriminação e até perseguição.

No Quênia, as tentativas recentes de derrubar as leis que proíbem a homossexualidade, herdadas da época colonial britânica, falharam. As relações homossexuais continuam a ser um crime que, de acordo com a lei, pode levar a uma pena de até 14 anos de prisão, mas os julgamentos são raros.

Eu sou Samuel é o segundo filme queniano a ser polêmico sobre esse tema nos últimos anos.

Em 2018, Rafiki ("amigo" em suaíli) de Wanuri Kahiu, uma história de amor lésbica que foi o primeiro filme queniano exibido no Festival de Cannes, também foi proibido. Após uma batalha judicial, Rafiki foi finalmente exibido por um curto período em Nairóbi, em cinemas lotados.

Peter Murimi disse em uma entrevista à AFP em outubro de 2020 que esperava que o documentário não fosse bem recebido pelos censores quenianos. No entanto, ele descreve seu filme como "  muito matizado, muito equilibrado, é a história de uma família que luta contra esse problema, ter um filho gay  ". "  Faremos o nosso melhor e esperamos que os quenianos o vejam  ", disse ele.

O documentário, exibido em diversos festivais e disponível para locação online, também contou com o apoio de Wanuri Kahiu. “A censura reflete a falta de autoconfiança da sociedade” , escreveu o diretor no Twitter após o anúncio da proibição do filme.