Hungria Volta atrás e permite a Mudança de gênero

 

A recente decisão do Tribunal Constitucional húngaro declarando que uma das disposições da proibição legal de reconhecimento de gênero (LGR) do ano passado é inconstitucional.

A lei húngara não só impediu as pessoas trans de apresentar novos pedidos de LGR, mas também incluiu uma disposição de que todos os pedidos atualmente pendentes devem ser rejeitados. Quando essa lei foi aprovada em maio de 2020, muitas pessoas trans já esperavam que seus pedidos fossem processados e estavam parados pelo poder público há anos.

Uma onda de ações legais que desafiam a proibição se seguiu, apoiada por organizações da sociedade civil trans e LGBTI húngaras. Um juiz local encaminhou a questão ao Tribunal Constitucional, que em 12 de março de 2021 determinou que a disposição que impede os pedidos pendentes é inconstitucional por violar a proibição da legislação retroativa.

O julgamento é um pequeno farol de esperança para as comunidades trans e de gênero diversificadas na Hungria, que sofreram vários golpes pesados em 2020, primeiro com a abolição da LGR em maio e depois com uma mudança na constituição voltada contra crianças trans em novembro.

Masen Davis, diretor executivo da TGEU, afirmou:

"A recente decisão do Tribunal Constitucional húngaro é uma razão de esperança entre pessoas trans e não-binárias na Hungria. Agora é hora de colocar o julgamento em ação. Instamos o governo húngaro a processar rapidamente todos os pedidos pendentes de reconhecimento legal de gênero. Enquanto isso, estamos preocupados que a Corte tenha optado por não considerar a constitucionalidade geral da proibição da Hungria sobre o reconhecimento legal de gênero, e exortar a Corte a reconsiderar essa questão o mais rápido possível."

Ainda não está claro como a decisão afetará a situação prática para aqueles cujos pedidos de LGR estavam pendentes quando a proibição entrou em vigor. O governo húngaro já ignorou julgamentos do Tribunal Constitucional antes.

A organização húngara Transvanilla e a organização LGBTI Háttér Society criticaram a Corte por não decidir sobre a constitucionalidade geral da proibição lgr como um todo. Ambas as organizações anunciaram medidas legais, se necessário, até o Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

Fonte TGEU