África Central: Mulheres Trans São presas sobre acusação de Disseminar a Homossexualidade

 

Mildred Loic e Moute Rolland foram presos por usarem roupas femininas na maior cidade do país, Douala, em 8 de fevereiro. Dizem que a polícia fez as prisões enquanto o casal comia em um restaurante.
 

As mulheres tiveram a fiança negada na quarta-feira (24 de março) depois que um juiz adiou seu caso e as mandou de volta para a cadeia, disse seu advogado Richard Tamfu.

Loic construiu uma reputação online como cosmético, tornando-se uma celebridade local das redes sociais conhecida como Shakiro com mais de 100.000 seguidores no Facebook.

Ela e Rolland também estão enfrentando acusações de indecência pública e não de uso de identificação, de acordo com a Reuters. Eles declararam-se inocentes.

Suas prisões ocorrem em meio a um aumento na repressão LGBT+ pelas autoridades camaronesas no último ano, levando a dezenas de prisões.

"Observamos um ressurgimento de ataques homofóbicos este ano", disse Ilaria Allegrozzi, pesquisadora da Human Rights Watch. "É comum que as pessoas sejam abusadas na detenção."

A homossexualidade é ilegal nos Camarões e punível com até cinco anos de prisão. O grupo de defesa LGBT+ CAMFAIDS relata que, entre 2010 e 2014, pelo menos 50 pessoas foram condenadas por crimes que vão de travestis a um homem mandando mensagens de "eu te amo" a outro homem.

Execuções de vigilantes, espancamentos e torturas também são toleradas, de acordo com a GLAAD.

Alice Nkom, uma proeminente advogada de direitos LGBT+ que representa as mulheres trans, disse no mês passado que estava "confiante" de que seriam absolvidas, pois não havia evidências reais de um crime.

"Não é ilegal ser homossexual ou transgênero. De acordo com nossa lei, é o ato que é o crime. Isso é uma violação flagrante de seus direitos humanos", disse ela à Reuters.

No entanto, atrasos contínuos têm causado preocupação. O caso de Loic e Rolland deveria ser ouvido na quarta-feira, mas foi adiado para 5 de abril, enquanto a acusação constrói seu caso, disse Tamfu.

"Eles estavam esperando que hoje tudo chegaria ao fim. A acusação não estabeleceu provas concretas... Achamos que eles devem ser soltos", disse ele.

Ele acrescentou que os réus estavam "muito deprimidos" e ficando em celas superlotadas onde arriscavam contrair COVID.


fonte PINKNEWS