Ministério da Justiça de Nova Zelândia está trabalhando para proibir "terapia de conversão"

 

O Ministério da Justiça confirmou que está trabalhando em um projeto de lei para proibir a "terapia de conversão" em Aotearoa Nova Zelândia, com a intenção de aprovar a lei até fevereiro de 2022, no máximo.

"Sabemos que essa é uma questão importante", disse o ministro da Justiça Kris Faafoi, e queremos garantir que a legislação seja aprovada o mais rápido possível para que a comunidade arco-íris e todos os afetados por essas práticas abomináveis sejam protegidos."

O anúncio veio após uma petição pedindo ao governo para agir rapidamente sobre o assunto coletado mais de 150.000 assinaturas em apenas uma semana. "Sabemos que as pessoas não veem isso como uma questão partidária", disse Elizabeth Kerekere, porta-voz do Partido Verde para as Comunidades do Arco-Íris. "Esta não é uma questão política, exceto para as pessoas que estão tendo que suportar esse tratamento."

Como aponta o relatório da ILGA World sobre "terapias de conversão",práticas horríveis, incluindo "terapias" de eletrochoque, internações forçadas em "clínicas" e exorcismos, ainda são aplicadas em vários países, empurrando pessoas de diversas orientações sexuais, identidades de gênero e expressões para viver vidas miseráveis e auto-abomináveis, até as consequências extremas do suicídio.

FONTE: ILGA