Convenção Batista vai expulsar igreja Batista que aceita LGBTS na Geórgia "difamaram Deus"

A Igreja Batista Towne View em Kennesaw, Geórgia está prestes a ser expulsa da Convenção Batista do Sul (SBC) e todos sabem disso.



O pecado da congregação? Eles dão as boas-vindas a um casal gay aos cultos.
Embora Jesus possa ter pregado a inclusão radical e a Bíblia exija que as igrejas recebam todos os “pecadores”, o Comitê Executivo da SBC está mais preocupado com o que os vizinhos pensariam.

“É uma questão de resultados financeiros, e que mais igrejas na região do Condado de Cobb seriam contra a aceitação da comunidade LGBTQ como membros de suas igrejas”, disse um funcionário ao Religion News Service .

Um terço dos membros da igreja já partiu depois que o casal e seus três filhos adotivos começaram a frequentar.

“Tínhamos frequentado a igreja de outras denominações mais 'liberais' antes de nos mudarmos para a Geórgia”, disse John M. Reynolds, “devido a ser parte da comunidade LGBTQ e ser inelegível como membro ou, em alguns casos, até mesmo frequentar” em Igrejas Batistas.
Enquanto a maioria dos outros provavelmente decidiria não doutrinar seus filhos para que acreditassem que seus pais são pecadores perversos que queimarão no inferno, os Reynolds decidiram se juntar. Sabendo que provavelmente seriam indesejados e maltratados, eles enviaram um e-mail ao pastor da igreja para perguntar educadamente se poderiam se afiliar. Eles até se ofereceram para se associarem separadamente "para não chamar a atenção para si mesmos como casal".

Apesar da oferta do casal de esconder seu relacionamento na frente dos filhos, o pastor mostrou mais firmeza moral.

“Eu sabia que não poderíamos adiar essa decisão e que teríamos que lidar com isso”, disse o reverendo Jim Conrad. O pastor assistente da igreja concordou com a decisão e os Reynolds relatam que “outros casais da nossa idade” os abraçaram. Mas um grande pedaço não.
“Foi uma temporada dolorosa quando 30% da sua congregação deixou (pessoas) com quem você conviveu nos últimos 25 anos”, disse Conrad.

Conrad e os outros membros estão lutando contra a decisão de expulsá-los em vez de sair silenciosamente.

“Achamos que seria melhor para as pessoas que ajudaram a plantar esta igreja nos dizer que não nos queriam mais por perto”, disse Conrad.
Por sua vez, os Reynolds deixaram a igreja depois de se mudarem da cidade.

“Deus está trabalhando de uma maneira muito especial para abrir a porta para a comunidade da Igreja Batista um pouco mais ampla”, disse Reynolds.

A porta, aparentemente, é a saída.

Fonte LGBTQNATION