Jovem gay que cuidava da irmã mais nova após perder a mãe para a leucemia é esfaqueado por homofóbicos e passa a virada no hospital "deveria ter sido você" gritavam os agressores

Anthony Crumbley estava voltando de um bar para casa no dia 18 de dezembro em South Boston.


Em questão de segundos, ele estava no chão, sangrando no pescoço, peito e estômago. Ele foi atacado por três estranhos, que o apunhalaram e cortaram seu pescoço. Ele entrou em coma e, se não tivesse um amigo para tentar salvar sua vida, Crumbley não teria sobrevivido.

Crumbley havia perdido sua mãe com leucemia um ano antes, tornando-o o único cuidador de sua irmã de 12 anos. Agora, ele perdeu a capacidade de usar o braço esquerdo - e quase perdeu a vida.


“Estou sem palavras e ainda mais desmoralizado”, lamentou, preocupado por não poder “ser o melhor irmão mais velho da minha irmã, que já passou por tanto.”

Crumbley, que ainda está se recuperando no Boston Medical Center, finalmente teve a oportunidade de compartilhar sua história uma semana depois. Ele teve que comemorar seu 25º aniversário, no dia 26 de dezembro, no hospital.

“Os dois homens e uma mulher se aproximaram de mim e [os] dois homens me atacaram e me apunhalaram no pescoço e no estômago, e praticamente correram e me deixaram lá”, disse ele à WBZ-TV , afiliada da CBS em BoCrumbley acredita que não conhece os perpetradores, e o ataque foi provocado apenas por sua sexualidade e comportamento. “Eu acredito que foi um ataque que teve a ver com o ódio gay porque, você sabe, eu me visto muito feminina e sou uma pessoa muito franca”, disse ele. Eles gritavam "deveria ter sido você".


“Eles não tentaram me roubar nem nada”, disse ele também a repórteres locais da ABC no WCVB-5.

Apesar da posição de Crumbley de que ele não conhecia os perpetradores antes disso, a polícia ainda afirma que “não tem razão” para investigar o incidente como um crime de ódio.

Outra amiga de Crumbley, Victoria Hernandez, está indignada com o ataque aparentemente não provocado, mas ela está ainda mais irritada com a falta de cobertura da mídia imediatamente após o crime cruel.


“Um GAY BLACK foi esfaqueado e deixado em estado crítico há 8 dias devido a um crime de ódio”, ela escreveu em um dos vários tweets que tiveram centenas de interações logo após o Natal. “Claro que há cobertura ZERO além de uma declaração vaga.”

"Ele foi esfaqueado várias vezes, sua garganta cortada, cortando uma artéria principal ... e seu ombro", ela continuou, "bem como feridas de faca em seu estômago que danificaram seus intestinos."

FonteLGBTQNATION