Turquia Leva 19 pessoas que participaram da marcha do orgulho LGBT a Julgamento sobre acusação de Inconstitucionalidade

 

O julgamento de 19 pessoas acusadas de "assembleia ilegal" e "Inconstitucionalidade" por participar de uma marcha do Orgulho no ano passado foi adiado para abril de 2021, decidiram os tribunais turcos.

Os 18 estudantes e um acadêmico foram detidos, acusados e processados por participarem da marcha do Orgulho na Universidade Técnica do Oriente Médio da Turquia (METU), em Ancara, em 11 de maio de 2019. Um dia antes do evento programado, que tinha ocorrido pacificamente todos os anos desde 2011, a administração da Universidade anunciou que não poderia ir em frente. Ativistas e estudantes se reuniram independentemente, já que a Universidade não tinha base legal para proibir a marcha. No entanto, a administração chamou a polícia, que usou força excessiva para dispersar a multidão.

A decisão de adiar o julgamento, que já dura um ano e meio, tem sido fortemente criticada, pois afeta negativamente o cotidiano dos réus e comete uma violação ao direito a um julgamento justo.

"Este julgamento não é apenas contra os estudantes da METU, mas contra as marchas do Orgulho em todo o país", disse Özgür Gür, da METU LGBTI+ Solidariedade.

"Os direitos LGBTI foram sistematicamente atacados na Turquia nos últimos anos e, ao adiar o julgamento mais uma vez sem qualquer razão compreensível, os tribunais estão claramente infringindo o direito a um julgamento justo e um processo judicial justo", disse Katrin Hugendubel, diretora de advocacia da ILGA-Europa. "Este é um sinal preocupante do judiciário da Turquia, especialmente no contexto do aumento do crime de ódio e do discurso de ódio contra a comunidade LGBTI no país. Em 2020, ativistas LGBTI na Turquia viram seus escritórios alvos de violência, seus espaços online restritos, e a comunidade LGBTI tem sido culpada pela pandemia COVID-19 por líderes religiosos e políticos".

Em um caso separado esta semana, um tribunal distrital em Istambul decidiu que a proibição da marcha do orgulho da cidade no ano passado era ilegal e violava a Constituição turca, a Convenção Europeia sobre Direitos Humanos e outros acordos internacionais aos quais a Turquia faz parte.

Durante a audiência, todos os réus deram depoimentos explicando como este julgamento é uma nuvem sobre suas cabeças que impacta negativamente suas vidas cotidianas. O julgamento durou um ano e meio até agora, e os afetou pessoalmente, academicamente e profissionalmente. Este novo adiamento para 30 de abril de 2021 significa que os réus estarão sob essa pressão por quase dois anos, e eles argumentam que isso constitui uma violação de seus direitos humanos.

De acordo com Özgür Gür, da METU LGBTI+ Solidariedade: "Este julgamento não é apenas contra os estudantes da METU, mas contra as marchas do Orgulho em todo o país".

Melike Balkan, da METU LGBTI+ Solidariedade, acrescentou: "Pedimos repetidamente à polícia que nos dê a razão de sua presença no campus, e eles continuaram a apontar para a proibição pelo governador de Ancara, mas está claro através da resposta dos governos turcos à ONU que o governador não poderia proibir um evento no campus. As forças policiais nos enganaram e nos impediram de exercer nossos direitos humanos básicos."

De acordo com Katrin Hugendubel, diretora de advocacia da ILGA-Europa: "Os direitos LGBTI foram sistematicamente atacados na Turquia nos últimos anos e, ao adiar o julgamento mais uma vez sem qualquer razão compreensível, os tribunais estão claramente infringindo o direito a um julgamento justo e um processo judicial justo. Este é um sinal preocupante do judiciário da Turquia, especialmente no contexto do aumento do crime de ódio e do discurso de ódio contra a comunidade LGBTI no país. Em 2020, ativistas LGBTI na Turquia viram seus escritórios alvos de violência, seus espaços online restritos, e a comunidade LGBTI tem sido culpada pela pandemia COVID-19 por líderes religiosos e políticos.

"O direito à liberdade de reunião, que a Turquia é obrigada a respeitar de acordo com a sua Constituição e a Convenção Europeia sobre Direitos Humanos, da qual é parte, precisa ser claramente respeitado. A ILGA-Europa continuará a trabalhar com instituições internacionais e apoiadores para tentar garantir um julgamento justo que respeite o direito à liberdade de reunião e à não discriminação das pessoas LGBTI na Turquia, e que absolverá os ativistas acusados ilegalmente na próxima audiência."

Na quarta-feira, em um caso separado, um tribunal distrital em Istambul decidiu que a proibição da marcha do orgulho da cidade no ano passado era ilegal e violava a Constituição turca, a Convenção Europeia sobre Direitos Humanos e outros acordos internacionais aos quais a Turquia faz parte.