BA: Homem Trans é arrastado pra fora de restaurante e agredido por funcionários enquanto passava mal "Não saio mais sozinho".

O historiador e coordenador de políticas para cidadania LGBT da Secretaria Municipal de Reparação (Semur) denunciou donos de um restaurante em Salvador por agressão e transfobia.


Vida Bruno é homem trans e conta que após passar mal no Restaurante Cervantes no bairro do Campo Grande no domingo (29), foi arrastado do local e agredido.

"Foram três homens contra um. Meu braço está com uma luxação por causa do puxão que o proprietário fez. Eles bateram na minha cabeça, bateram minha cabeça no chão várias vezes. Eu tenho vários cortes na cabeça, aqui na parte da nuca. Eles foram muito agressivos, tomei soco no olho, no nariz. Uma barbárie, foi uma brutalidade que eu jamais imaginei que seria possível", disse.
O advogado do estabelecimento nega as agressões e diz que Vida Bruno teve uma convulsão no local e recebeu socorro de dois médicos que almoçavam no local. Disse ainda que o historiador teve um sangramento no nariz e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para socorrê-lo, mas foi Vida Bruno que não quis socorro. O historiador nega a versão do advogado.

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o historiador e os donos do restaurante foram conduzidos para a Central de Flagrantes, por uma guarnição da Polícia Militar.

Todos foram ouvidos e o comunicante recebeu as guias para realização de exame de corpo de delito. Foi instaurado inquérito para apurar a denúncia de agressão e homofobia. A 1ª DT/Barris, que atende a região onde está localizado o estabelecimento, vai prosseguir com a investigação.

Após o ocorrido, Vida Bruno disse que não vai mais sair sozinho, por medo.

"Não saio mais sozinho, não tem condições você pode topar com um sujeito como esse. Me sinto humilhado, estou erguido, de pé porque não posso perder a consciência. O advogado [do restaurante] está querendo um exame psicológico e eu faço todos os que eles quiserem. O que não posso é me calar. Lutei a vida toda para ocupar esse espaço", conta.
Fonte G1