Ásia: Ativistas pedem proibição de terapia de conversão após mulher se suicidar ao passar pela terapia

Depois que uma jovem bissexual morreu por suicídio, ativistas LGBT entraram com uma petição no Supremo Tribunal de Kerala, pedindo a proibição da “terapia de conversão”. O tribunal realizará uma audiência sobre o assunto em 28 de outubro.


A mulher, que se suicidou em maio, alegou em um vídeo na mídia social que estava sendo internada à força em “centros de desintoxicação” depois de se confessar bissexual para seus pais.

Queerala - o grupo por trás da petição com Raghav, ativista trans e membro do conselho da Malayalee Transmen Association - disse ter recebido “várias reclamações” sobre a prática discriminatória e prejudicial, também repreendida pela Sociedade Psiquiátrica Indiana. O número de casos supostamente aumentou especialmente desde que as medidas de bloqueio entraram em vigor em março deste ano, já que muitas pessoas queer foram forçadas a se isolar em ambientes domésticos não aceitáveis. “Uma jovem nos contou como seus pais a forçaram a ver um médico, que pediu para interná-la no hospital para que os testes pudessem ser feitos para ver se seus órgãos internos 'estavam funcionando', e [se] medicamentos podem ser administrados em ela ”, disse Rajashree Raju, membro do conselho da Queerala. De acordo com Raju, outra mulher bissexual recebeu medicamentos para esquizofrenia.
Fonte lgbti intergroup