França: Mulher Trans Teve que adotar o próprio filho para poder ser considerada Mãe da Criança

 

Uma mulher transgênero terá que adotar seu próprio filho para ser reconhecida como mãe, decidiu um tribunal.



  

A mais alta corte da França anulou uma decisão de um tribunal de primeira instância que permitia que a mulher transexual "Claire" de 51 anos fosse reconhecida como "pai biológico" de seu próprio filho e disse que ela deve ser listada como pai da criança ou deve adotar seu próprio filho ser uma segunda mãe. A advogada de Claire, Clélia Richard, classificou a decisão como “escandalosa” e “uma oportunidade perdida”.

“Então, a garotinha de seis anos vai guardar sua certidão de nascimento com apenas uma de suas duas mães, apenas um de seus pais, a mãe que deu à luz, e a outra não tem o direito de ser anotado nele ”, disse Richard em uma entrevista coletiva por telefone. "É horrível."

Em 2011, Claire teve o marcador de gênero em sua identidade corrigido para reconhecê-la oficialmente como mulher. Em 2014, ela e sua esposa tiveram um filho juntas, usando o esperma de Claire e o óvulo da esposa. A esposa carregou a criança.

Claire queria aparecer na certidão de nascimento de seu filho como sua mãe, mas foi recusada. Em 2018, um tribunal de primeira instância decidiu que ela não poderia ser considerada a mãe da criança, mas sim uma “mãe biológica”, uma nova categoria criada pelo tribunal.

Na última quarta-feira, a mais alta corte da França anulou a maior parte dessa decisão. Eles mantiveram a parte que dizia que Claire não poderia ser a mãe da criança, mas que o título de “mãe biológica” não poderia ser criado. Se Claire quisesse ser reconhecida como mãe de seu filho, ela teria que adotá-la.

O tribunal superior "explicou em termos muito biológicos que Claire só poderia ser pai", disse o advogado Mathieu Stoclet, que trabalhou no caso.

“Claire pode ser reconhecida como um pai na papelada oficial de sua filha, embora ela seja uma mulher de acordo com seu estatuto civil”, Stoclet continuou, chamando a decisão do tribunal de “incoerente”.

A Associação de Pais Gays e Lésbicas (APGL) denunciou a decisão do tribunal.

“A ordem judicial constitui uma regressão considerável a um conceito de família que pensávamos ter enterrado”, disse Bertrand Périer da APGL em um comunicado.

Os advogados de Claire disseram que estão considerando um recurso ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

Fonte LGBTQNation