Post Page Advertisement [Top]

 Deitado no hospital, Martin Stark não estava apenas preocupado com sua saúde debilitada - o boxeador gay também ficou arrasado com a notícia de que o boxe havia sido abandonado nos Jogos Gay de 2022.

  Assim, o australiano de 45 anos decidiu criar mais um festival de esportes LGBT + para realizar seu sonho de competir no cenário mundial.

Orlando Cruz promete ser o primeiro campeão mundial de boxe gay | QueerFeed

  "Eu estava me chamando de futuro campeão mundial de boxe gay, ia ganhar o ouro pela Austrália", disse Stark à Thomson Reuters Foundation em entrevista por telefone.

  "Eu estava na minha cama de hospital e pensei, 'Não posso parar esta jornada que comecei', então decidi criar o Campeonato Mundial de Boxe Gay."

  A homofobia no esporte é um problema global, com o medo de gritos abusivos, ameaças, bullying e agressão física levando muitos jogadores a esconder sua sexualidade.

  Em um estudo internacional de 2015 iniciado por grupos de rúgbi gays australianos, 80% dos entrevistados disseram ter testemunhado ou experimentado homofobia no esporte e 75% disseram que não era muito seguro ser um espectador abertamente gay em um evento esportivo.

  Essas atitudes levaram à fundação em São Francisco dos Jogos Gay em 1982. Hong Kong deve sediar o evento de 2022, que deve atrair cerca de 15.000 participantes.

  Stark disse que espera que seu campeonato de 2023 - a ser realizado durante o Sydney Gay and Lesbian Mardi Gras, quando a cidade também sediará o Orgulho Mundial - atraia boxeadores LGBT + de todo o mundo e incentive as pessoas LGBT + a participarem do esporte.

  "Quero que a comunidade LGBTQI tenha o poder de fazer o que quiser e realizar seus sonhos", disse Stark, que até agora financiou o campeonato por conta própria e o organizou com a ajuda de amigos.

 f "Para mim, isso é encorajar as pessoas a participarem do esporte do boxe."

  CONFIANÇA

  Demorou quase a perder sua vida para Stark descobrir sua paixão pelo boxe. Em 2017, acabou no pronto-socorro devido a complicações decorrentes da doença de Addison, distúrbio das glândulas supra-renais, que regulam o sistema imunológico.

  Pouco depois, ele começou a estudar autodefesa para melhorar sua confiança e preparo físico, entrando no ringue pela primeira vez.

  “Na escola, eu geralmente era a última pessoa a ser escolhida para praticar esportes, e as pessoas diziam que eu não conseguia tirar um saco de papel com um soco”, disse Stark.

  Mas o boxe rapidamente se tornou uma "nova paixão na vida".

  Embora ele tenha achado a comunidade do boxe "muito acolhedora", ele disse que o esporte tem "algum caminho a percorrer" antes que as pessoas LGBT + sejam totalmente aceitas.

  Um número crescente de atletas de alto perfil surgiu nos últimos anos, incluindo o boxeador ganhador de ouro olímpico britânico Nicola Adams, à medida que a aceitação pública das pessoas LGBT + cresceu.

  Mas continua sendo difícil para homens importantes se destacar em esportes que reforçam os estereótipos de gênero, como o futebol.

  O boxe tem um histórico ruim, com o peso médio britânico James Hawley sendo demitido após postar comentários homofóbicos e transfóbicos online no mês passado, enquanto o peso leve irlandês Conor McGregor foi capturado em vídeo em 2017 usando um calúnia homofóbico.

  O primeiro boxeador a se expor profissionalmente foi o porto-riquenho do peso pena Orlando Cruz em 2012, com o americano Patricio Manuel se tornando o primeiro boxeador transgênero a vencer uma luta profissional em 2018.

  No futuro, Stark disse esperar que eventos como o Campeonato Mundial Gay de Boxe não sejam necessários, porque as pessoas LGBT + poderão competir em competições convencionais sem enfrentar homofobia ou transfobia.

  "Acho que o boxe vai evoluir a ponto de não precisarmos deles, porque teremos feito tais incursões no esporte", disse ele.

  Nesse ínterim, ele espera que as comunidades LGBT + e esportivas se reunam em torno do Campeonato Mundial de Boxe Gay.

  "Vamos precisar de patrocinadores corporativos, vamos precisar do apoio da comunidade esportiva LGBTQ e também da comunidade de boxe. Estou começando a perceber o quão grande isso é, e estou satisfeito com o desafio", disse ele .

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]


| Desenvolvido por Colorlib - GOOGLE