Policial do Colorado EUA Mata Mulher Trans e Policia tenta passar pano

Jayne Thompson foi baleado e morto por um soldado da Patrulha Estadual do Colorado no mês passado, mas demorou até esta semana para ser divulgado que o policial havia matado uma mulher trans. Por semanas, a Polícia do Estado do Colorado e a mídia local a enganaram e disseram que um homem havia sido baleado.

Um policial do estado do Colorado matou uma mulher trans.  As autoridades disseram à mídia que ele atirou em um homem.

Thompson foi morto na mesma semana por duas mulheres transexuais negras : Dominique Rem'mie Fells, da Pensilvânia, e Riah Milton, de Ohio. Todos os três foram mortos quando o país protestou contra a brutalidade policial e a justiça racial com marchas e comícios maciços. Thompson é branco.

De acordo com detalhes fornecidos pelo Gabinete do Xerife do Condado de Mesa, Thompson ficou deitado imóvel perto de um supermercado e não respondeu quando os transeuntes ofereceram assistência. Quando o policial Jason Wade chegou ao local, Thompson "começou a agir agressivamente e brandiu uma faca de aproximadamente 10 polegadas", de acordo com o relatório da polícia.

O soldado não foi ferido. A morte foi declarada homicídio.

As pessoas transexuais são particularmente vulneráveis ​​a atos de violência e as mulheres negras transgêneros sofrem com isso, inclusive da polícia, que muitas vezes as acusa de prostituição simplesmente por andar na calçada.

"[Está claro que Jayne estava em crise quando foi abordada pela Patrulha Estadual do Colorado", disse Tori Cooper, diretora de envolvimento comunitário da Transgender Justice Initiative da HRC. "Quando os membros da comunidade precisam de ajuda, a expectativa é proteger, servir e não ser morto."

O escritório do xerife diz que o incidente está sendo investigado, mas o promotor público Dan Rubinstein anunciou que nenhuma acusação seria registrada, apesar da investigação em andamento. Os soldados da Patrulha Estadual do Colorado estão armados com tasers não letais, mas não parece que Wade tentou usá-lo antes de matar Thompson.

A polícia em todo o país freqüentemente confunde pessoas transgêneros e usa seu "nome morto" para a mídia em vez do nome que a vítima realmente usou que corresponde à sua identidade de gênero.

Eles observam que a maioria dos relatos da mídia sobre o incidente não foi atualizada para refletir o nome e a identidade de gênero de Thompson.

Fonte LGBTQNation