Violência homofóbico ou transfóbico Aumentou 36% na França


As forças policiais e gendarmarias identificaram 1.870 vítimas de crimes homofóbicos ou transfóbicos, em comparação com 1.380 em 2018.
Insultos e agressões homofóbicos ou transfóbicos novamente sofreram um forte aumento de 36% no ano passado na França, anunciou no sábado o ministro do Interior.
Em 2019, as forças policiais e gendarmarias " identificaram 1.870 vítimas de crimes homofóbicos ou transfóbicos contra 1380 em 2018 ", informou o ministério em comunicado. As reclamações de pessoas LGBT (lésbicas, gays, bi, trans) já haviam aumentado 33% em 2018.
Esses dados mostram um aumento contínuo desses crimes. Em 2018, as queixas de pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais) vítimas de atos homofóbicos ou transfóbicos já haviam aumentado em 33% em relação ao ano anterior. " Esses números testemunham a profunda ancoragem da homofobia e transfobia na sociedade " e " fazem parte de um contexto mais amplo de progressão de atos de ódio e extremismo de identidade ", afirmou o ministério em seu comunicado à imprensa. . No entanto, essas estatísticas estão descontroladas a cada ano com a realidade, associações que apoiam pessoas LGBT regularmente lembrando que muitas vítimas não se atrevem a reclamar.
Desmentido: Catedral francesa não foi iluminada com cores da ...Em 2019, insultos e desprezo representaram 33% dos delitos sofridos, enquanto a violência (física e sexual) foi responsável por 28% das queixas. As vítimas são principalmente homens (75%), bastante jovens: 62% têm menos de 35 anos de idade. " Este aumento nos atos de ódio anti-LGBT exige maior vigilância por parte das autoridades públicas e uma mobilização mais forte de toda a sociedade " , afirmou o ministério.


Diante do aumento do risco de violência doméstica durante o confinamento, o governo liberou 300.000 euros no final de abril para um " plano de emergência " para financiar noites de hotel para pessoas LGBT em dificuldade. Agora está " totalmente operacional e beneficia cerca de quarenta jovens LGBT " , disse o comunicado à imprensa. Também foi lançada uma aplicação no final de abril pela FLAG!, A associação de policiais e gendarmes LGBT, a fim de denunciar atos de violência e orientar melhor as vítimas.