EUA Retira Restrições de Gays Doarem Sangue Em Meio a Crise do CORONAVÍRUS


A Food and Drug Administration diminuiu as restrições às doações de sangue de homens gays e bissexuais em meio a uma diminuição no fornecimento de sangue em meio à crescente crise do coronavírus.

A FDA anunciou quinta-feira que estava cortando o período de espera obrigatório para homens que fizeram sexo com outros homens doarem sangue de 12 meses para três meses, na tentativa de aumentar o estoque de suprimentos de sangue disponíveis para o número crescente de pacientes com COVID-19 .

"Como resultado dessa emergência de saúde pública, há uma escassez significativa no fornecimento de sangue nos Estados Unidos" , escreveu a agência .

“Dada a emergência de saúde pública relacionada ao COVID-19 declarada pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos, esta orientação está sendo implementada sem comentários públicos anteriores, porque a FDA determinou que a participação pública prévia dessa orientação não é viável ou apropriada.”

Um homem dando sangueO FDA instituiu a regra em dezembro de 2015, na tentativa de conter a propagação do HIV, que a agência considerou ser mais prevalente entre os gays. A medida exigia que os homens esperassem um ano inteiro depois de fazer sexo com outro homem antes que pudessem doar sangue.

Grupos de direitos LGBT há muito tempo pediam a suspensão da restrição, pressionando os legisladores pelo mesmo direito de doar sangue que os heterossexuais.

Em comunicado divulgado na quinta-feira, a Cruz Vermelha Americana defendeu a redução dessas restrições.

"A Cruz Vermelha Americana acredita que a elegibilidade para doação de sangue não deve ser determinada por métodos baseados em orientação sexual", afirmou o comunicado.

"Juntos, trabalharemos em direção a um processo de doação de sangue inclusivo e equitativo que trate todos os doadores em potencial com igualdade e respeito e garanta que um suprimento de sangue seguro e suficiente esteja disponível para os pacientes necessitados".
Fonte THE NEW YORQUE POST