Motorista suspeito de agredir ator em SP por Homofobia se apresenta à polícia


Resultado de imagem para Jovem diz que foi agredido por motorista de ônibus em SP e denuncia homofobiaO motorista suspeito de ter agredido o ator Marcello Santanna, de 23 anos, dentro de um ônibus neste sábado (7), se apresentou espontaneamente na delegacia na tarde desta segunda-feira (9). Paulo Roberto de Morais Junior, de 31 anos, negou à polícia qualquer viés homofóbico. O ator, que teve o nariz quebrado, disse que foi vítima de agressão e homofobia.

De acordo com o depoimento, ele afirmou "que a vítima, o amigo e a prima entraram no ônibus fazendo bagunça, que estavam aparentemente embriagados e começaram a incomodar os outros passageiros". Ainda segundo Júnior, "alguns chegaram a descer do ônibus."

Ele ainda afirmou que pediu que o grupo parasse e, neste momento, a vítima teria baixado as calças e sentado no colo do amigo. O motorista disse que, depois disso, mandou os três descerem do ônibus. A vítima teria xingado ele e dado tapas na lataria do ônibus e que isso o teria irritado. Ele afirma ter dado apenas um soco na vítima e negou que a agressão tenha viés homofóbico.
A polícia segue investigando o caso como lesão corporal.
O que diz a vítima
O ator disse ao G1 que foi vítima de homofobia e que foi agredido por um motorista de ônibus na manhã deste sábado em Cidade Líder, na Zona Leste de São Paulo.

Segundo Santanna, o motorista parou o ônibus e falou para ele descer depois que viu o ator dando "selinhos" em outro rapaz. O ator saiu do veículo, que faz a linha 3736-10 - Jardim Nossa Senhora do Carmo-Metrô Artur Alvim (os veículos desta linha são micro-ônibus sem cobrador). Em seguida, o motorista desceu e deu um soco no seu rosto. A agressão aconteceu na Avenida Maria Luiza Americano.

"Me recusei [a descer], disse que tinha pago e perguntei qual seria o motivo pra gente sair. Ele, então, levantou, e na mesma hora resolvi não criar uma discussão e me despedi desse rapaz e da minha prima", relatou.

"Ao descer, levantei as mãos e disse 'tá tudo bem, eu vou embora'. Ele já veio nos socos, sem ao menos eu nem ter tempo pra terminar de falar. O rapaz e minha prima desceram pra me socorrer, o motorista entrou na lotação e foi embora." (veja o relato completo ao final dessa reportagem)

Em nota, a SPTrans, que administra o sistema de transporte público de São Paulo, afirmou que "já encaminhou o caso à empresa que opera a linha para que identifique o motorista e tome as providências cabíveis em relação a seu funcionário".

"Como gestora do sistema de transporte público, a SPTrans realiza junto às empresas operadoras o programa Viagem Segura, com treinamentos que incluem itens como condução segura, respeito aos passageiros, idosos e pessoas com mobilidade reduzida além de conduta durante casos de abuso. Em 2018, o programa treinou 62.739 trabalhadores entre motoristas, cobradores e fiscais", diz a o comunicado.

No relato, Santanna disse que nunca tinha passado por uma situação do tipo. Também incentiva vítimas de homofobia a fazer denúncia.
Leia, abaixo, o relato completo
"Estava voltando de um rolê, e fui agredido por um motorista de ônibus pelo simples fato de estar com um rapaz. Ele estava cuidando de mim, que meu nariz tinha começado a sangrar e depois demos alguns selinhos. O motorista então, parou a lotação e aos gritos pediu pra que saímos da lotação. Me recusei, disse que tinha pago e perguntei qual seria o motivo pra gente sair. Ele então, levantou e na mesma hora resolvi não criar uma discussão e me despedi desse rapaz e da minha prima. Ao descer, levantei as mãos e disse “tá tudo bem, eu vou embora”, ele já veio nos socos, sem ao menos em nem ter tempo pra terminar de falar. O rapaz e minha prima desceram pra me socorrer, o motorista entrou na lotação e foi embora.

Estava esperando um momento bonito pra dividir com todos minha opção sexual. Porém, devido ao fato achei necessário compartilhar e não esperar mais. Estou super bem resolvido com minha escolha, e tenho graças a Deus, o amor incondicional dos meus familiares. Se aceitar è um processo difícil, mas viver certo disso que é pior ainda. As pessoas nos julgam por andar de mãos dadas, trocar carícias em público ou pelo simples fato de querer direitos iguais como todo mundo.
A homofobia nunca foi um assunto a ser abordado apenas como mimimi. Como eu, muitos LGBT já se sentiram agredidos de alguma forma, mas a agressão física chega a ser a mais incompreensível. O que faz uma pessoa agredir a outra por causa da escolha de vida dela? Por quê agredir um ser pelo fato dele amar outra pessoa
do mesmo sexo? .

Sei que as imagens são fortes, mas notícias assim precisa ser compartilhada para mostrar o quanto a luta pela comunidade lgbt é necessária! Não pense que não existe homofobia, pq existe sim e aos muitos! Somos o país que mais mata LGBT e esse fato só me faz pensar em uma coisa: eu to aqui vivo pra contar, e quantos outros que não puderam ter a chance de contar? ATÉ QUANDO NOTÍCIA ASSIM VAMOS PRECISAR CONTAR?

Já fui ao hospital, farei cirurgia nos próximos dias porque o nariz está quebrado. Já recorri aos meus direitos, e tenho respaldo da lei.

HOMOFOBIA É CRIME! Não se omita, DENUNCIE


Agradeço aos familiares e amigos por estarem comigo nesse momento, o apoio de vocês é essencial."
Reportagem: G1
Video: GloboNews

Nenhum comentário