Jovem diz ter sido agredido e ameaçado por seguranças da Feira Cultural LGBT em SP

Um jovem de 25 anos afirma ter sido agredido e ameaçado por seguranças da Feira Cultural LGBT+, que aconteceu na noite desta quinta-feira (20) na Praça República, no Centro da cidade de São Paulo. Segundo Rafael Tavares, os seguranças o acusaram de ter roubado documentos. O caso foi registrado no 2º Distrito Policial como lesão corporal e ameaça.

Rafael diz que foi abordado por nove seguranças do evento. Eles teriam acusado o jovem e mais um grupo de terem roubado os documentos.
“Eles falavam, se não foi vocês que roubaram, então foi ele [apontaram para Rafael]. Os meninos, para se defender, falavam não, foi ele. Eles [seguranças] começaram a bater no nosso rosto, creio eu, por causa da nossa opção sexual, porque usavam palavras de baixo calão.”
De acordo com o jovem, dos nove seguranças que o abordaram, dois praticaram a agressão – uma mulher e um homem.
A vítima gravou o momento que um dos policiais o ameaçou. "Se eu pegar vocês pisando, mijando fora do penico, vou cortar com a faca no meio. Está entendendo o que estou falando? Estou sendo bem claro?".
A Secretaria da Segurança Pública (SSP) disse que o caso foi registrado como lesão corporal e ameaça. A autoridade policial solicitou exame de corpo de delito para a vítima e busca por elementos que auxiliem a identificar os autores.
O Bom Dia SP procurou a organização da feira cultural LGBT e não teve resposta até a publicação desta reportagem.

Nenhum comentário