Dia Internacional do Orgulho LGBT é incluído no calendário oficial de Porto Alegre

Lei proposta por vereador foi sancionada nesta quinta-feira (13), tornando 28 de junho o Dia do Orgulho LGBT oficialmente em Porto Alegre  — Foto: Joel Vargas/PMPA O Dia Internacional do Orgulho LGBT passa a integrar o calendário oficial de Porto Alegre a partir desta quinta-feira (13), com a sanção do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) à lei aprovada em abril. O 28 de junho é celebrado mundialmente, e em Porto Alegre, neste ano, terá também uma programação alusiva à data.
Conforme aponta a prefeitura, através de sua assessoria de imprensa, a lei "representa um avanço da Capital no sentido de valorizar a luta pelos direitos da comunidade gay e o combate à violência".
"[A lei] Mostra que o município em si se preocupa com a pauta das minorias, tendo essa data que obriga, todo o dia 28 de junho, a se preocupar com essa data de conscientização, de informação", diz o coordenador municipal da Diversidade Sexual e Gênero da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte, Dani Boeira, lembrando que a lei foi sancionada no mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal votou pela criminalização da homofobia.
Neste ano, a Parada de Luta LGBT, que costumava acontecer em um dia, terá três dias de comemoração, salienta o coordenador. São esperadas entre 150 mil e 200 mil pessoas, entre 28 e 30 de junho, na Orla do Guaíba. O evento terá shows, oficinas, debates e outras atividades. O Coletivo Parada de Luta LGBT é o realizador do evento, com a prefeitura sendo correalizadora.
Não haverá destinação de verba pública para o evento, informa Dani, mas serviços como Guarda Municipal, limpeza e trânsito serão disponibilizados pela administração municipal.

Falta de ações ou recursos

A ONG Somos, que atua na defesa aos LGBTs de Porto Alegre, apontou críticas à lei e sua implementação na capital, conforme seu advogado, Caio Klein. Eles argumentam, por exemplo, que não estão previstas ações, políticas ou recursos financeiros em defesa da causa.
"Feita neste momento, desta forma, é demagogia, pois promove aqueles que se colocam como responsáveis por essa 'vitória' ou 'passo na direção da celebração da diversidade' ao mesmo tempo em que não prevê nada concreto para as pessoas realmente vulneráveis à violência e discriminação por orientação sexual e/ou identidade de gênero no município", resumiu Caio.

Parada Livre

O Dia Mundial do Orgulho LGBT é o segundo evento que aborda questões de gênero a entrar no calendário oficial do município. No ano passado, já havia sido aprovada a inclusão do dia da Parada Livre, em novembro. Ambas as proposições partiram do vereador Moisés Barboza (PSDB).
Conforme a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), 80 mil pessoas participaram da Parada Livre do ano passado, no Parque Farroupilha, mais conhecido como Redenção. O evento só pôde ser realizado graças a uma vaquinha online, que arrecadou recursos.
A Prefeitura de Porto Alegre não faz repasse financeiro ao evento desde 2017. No ano passado, a Coordenadoria da Diversidade Sexual da Secretaria de Desenvolvimento Social e Esporte (SMDSE) informou que houve isenção das taxas de uso de espaço público, representando cerca de R$ 8 mil. 

 Fonte:G1

Nenhum comentário