Escola Estadual de Alagoa Nova PB proíbe formando de dançar em formatura com namorado

A sociedade espera que uma escola seja o local ideal para combater qualquer tipo de preconceito, através de seus ensinamentos e práticas que incentivem o respeito com os vários tipos de diferença, incluindo a diversidade sexual.

Mesmo tendo essa obrigação, a Escola Estadual Professor Cardoso, em Alagoa Nova, foi protagonista de cenas de discriminação sexual. Foi o que narrou, nas redes sociais, João Lukas, formando do 9º ano. Ele confidenciou que foi proibido pela direção e ex-secretário da escola de dançar na festa de formatura com seu namorado. “Assunto já conversado com meus familiares. Todos sabiam”, afirma.

João Lukas explica que estava tudo certo para se apresentar com seu namorado, mas o sonho foi frustrado pelo um ex-secretário e pela direção da instituição. “O ex-secretário Moaci, da escola professor Cardoso, me mandou mensagem afirmando que eu não poderia entrar com o meu namorado, justificando que, iria ter muitas pessoas evangélicas, e quando eu fosse anunciado iria parecer uma apologia”, escreveu.

Ainda de acordo com João Lukas, a escola almejava que ele se apresentasse com uma professora. “Você vai dançar com uma professora. Ao chegar à escola me recusei e reafirmei que iria dançar com meu namorado e fui encaminhado para diretora, em local reservado”.

“Você não irar entrar com seu namorado! a sociedade não vai aceitar! vai ficar feio pra escola! eu devolvo seu dinheiro! fazer formatura você não faz! nessa escola você e seu namorado não vão dança juntos”, João Lukas afirma que essas foram às palavras da diretora Verônica, em uma conversa reservada.

Toda confusão teria deixado João Lukas atordoado, que acabou caindo e se machucando. A família também ficou desesperada: “mas, diante de tudo, eu prometi para minha mãe que iria subir ao palco e dá um show”.

João explica que na hora da valsa realmente não dançou com seu namorado e outros colegas de turma ficaram indignados. Ele também deu conta que professores que lhe incentivaram sofreram retaliações.
SE LIGA PB TEVE ACESSO COM EXCLUSIVIDADE A ESSA CONVERSA:

JUSTIÇA:
João Lukas pretende acionar o Ministério Público (MP). “Irei procurar os meus direitos. Vou denunciar a escola”.
CITADOS:
O Se Liga PB falou por telefone com o professor Moacir. Ele disse que, no momento, não gostaria de repassar nenhuma informação e, que, talvez, a escola emitisse nota. Não conseguimos contato com a direção e nos colocamos a disposição para qualquer esclarecimento.
Fonte: seligapb

Carregando ...